Pb. Tiago Cavalcanti Alves

Casado com Alexsandra de Freitas Cavalcanti Alves e pai de três filhos. Presbítero e coordenador do Departamento de Missões, Evangelismo, Integração e Discipulado (DEMID) do templo sede Farol. Bacharel em Engenharia Telecomunicações, pós graduado em Contabilidade e Auditoria exerce o cargo de Auditor Fiscal no município de Maceió. Cursando Bacharelado em Teologia na Uninter e autor de dois livros: Conhecendo o amor de Deus e Formação de Discipulador, ambos utilizados pela Assembleia de Deus em Alagoas para a formação de discipuladores e a evangelização e consolidação de novos convertidos.

13/06/2020

Tema: As Disciplinas Espirituais com o Propósito de Alcançar a Piedade

Resumo do capítulo 1 do Livro Disciplinas Espirituais para a vida cristã, Donald S. Whitney, Editora Batista Regular.

Embora o crescimento em santidade seja uma atuação da sua graça transformadora em nossos corações[1], as disciplinas espirituais[2] são destacadas como o caminho estabelecido por Deus para sua graça fluir até nós. Destaca-se os exemplos de Bartimeu e de Zaqueu que se colocaram de forma resoluta no caminho de Jesus, vencendo as dificuldades encontradas, como uma demonstração de como podemos nos colocar no caminho da graça de Deus através das disciplinas espirituais. Charles Spurgeon, enfatizou a importância das disciplinas espirituais da seguinte maneira: “Devo cuidar, acima de tudo, de cultivar a comunhão com Cristo, pois embora ela não possa jamais ser a base de minha paz, observe, ainda assim, ela será o canal pelo qual a paz irá fluir”[3].

O Senhor espera que pratiquemos as disciplinas espirituais com determinação e afinco de um atleta olímpico[4] com o objetivo de nos ajustarmos à imagem do seu Filho[5]. Para tanto, Ele espera que sejamos disciplinados. A história da Igreja destaca os heróis da fé[6] como exemplo de dedicação às disciplinas espirituais. Por maior que seja o potencial das pessoas, a ausência de disciplina é um caminho certo para o fracasso, até mesmo nos dons naturais, como a prática de esportes, o exercício de uma profissão e bem com nos concursos públicos. Como ensinado por William Barclay, “ninguém jamais atingiu a eminência e ninguém que a atingiu conseguiu mantê-la sem disciplina”[7].

A disciplina só terá sentido se houver um propósito claro, do contrário será uma verdadeira servidão, algo a ser feito sem empolgação e como uma obrigação. Merece destaque a história de um menino de seis anos que não encontra empolgação na escola de música por achar outras atividades mais atrativas para ele[8]. Então, numa visão espiritual, ele é levado por um anjo ao Carnegie Hall, onde ele aparece adulto como um grande concertista. O menino fica encantado com o que vê e ouve. O menino que sempre produzia som áspero, inexpressivo e irritante em suas aulas de música, passa a se ver numa apresentação para centenas de pessoas admiradas com a habilidade do concertista em combinar notas perfeitas, sublimes, em um tom musical que flui do seu violão. O anjo termina aquela visão afirmando que aquele famoso concertista era aquele menino, e afirma que ele precisava estudar e se dedicar para desenvolver e chegar naquele momento. “U-A-U!!!”, foi a resposta do menino que passou a encarar as aulas e as tarefas da escola de música com outro afinco e empolgação.

Da mesma forma, o cristão deve desenvolver as disciplinas espirituais com o propósito de perseguir o alvo para a nossa suprema vocação em Deus[9] de sermos conforme a imagem do seu Filho. Se pretendermos ser como Cristo, devemos viver como Ele viveu[10], como defendido por Dallas Willard: “Podemos, por fé e graça, nos tornar como Cristo pela prática dos tipos de atividades em que Ele se envolvia, organizando nossas vidas inteiramente conforme as atividades que Ele mesmo praticava, a fim de permanecermos constantemente acostumados à comunhão do Seu Pai”[11].

Infelizmente, muitos têm negligenciado este desafio, ou, quando muito, praticam como aquele menino antes de sua visão; achando pesaroso, como uma obrigação em que não conseguem encontrar prazer. Mesmo ativos na igreja e no exercício de atividades ministeriais, como ensaios, reuniões, festividades e cultos, não estão crescendo na prática das disciplinas espirituais e não estão sendo conformados à imagem de Cristo, experimentando a boa, perfeita e agradável vontade do Senhor para suas vidas[12].

Falta-lhes visão de propósito e disposição de empreender esforços. Os indisciplinados podem ser comparados a alguém que está sendo apresentado a um terreno a venda que possui muito ouro a ser explorado em seu solo, mas por depender de esforço para a arte de garimpar o metal precioso ver dificuldades e desiste do investimento ultra rentável e que estava a sua disposição. Dessa forma, o ouro da Piedade não é encontrado na superfície do cristianismo, é necessário cavar nas profundezas, com as ferramentas das disciplinas espirituais[13]. Mas para aqueles que perseverarem, aqueles que estiverem dispostos a empreenderem esforços, os tesouros são mais do que compensadores.

 

[1] Ver João 17:17 e Tito 3:5.

[2] Entenda como disciplinas espirituais o estudo e a meditação na Palavra de Deus, a prática do Jejum e a oração.

[3] Citado na página 18 e 19 do livro em questão.

[4] Ver 1 Tímoteo 4:7-9 e 1 Coríntios 9:24-25.

[5] Ver Romanos 8:29 e 2 Coríntios 3:18.

[6] Martinho Lutero, João Calvino, John Bunyan, Susanna Wesley, George Whitefield, Jonathan Edwards, Charles Spurgeon, George Müller, etc.

[7] Citado na página 22 do livro em questão.

[8] Apresentado na página 12 e 13 do livro em questão.

[9] Ver Filipenses 3:7-14

[10] Ver 1 João 2:6, Efésios 5:2, 1 Pedro 2:21, João 8:31, Colossenses 2:6-7

[11] Citado na página 20 do livro em questão.

[12] Ver Romanos 12:1-2

[13] Veja Lucas 6:46-49 e Lucas 14:25-35.

DEMID - DEPARTAMENTO DE EVANGELISMO, MISSÕES E INTEGRAÇÃO E DISCIPULADO

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now